Por Patricia Travassos

O que você faria se o seu filho dissesse que vai ser atleta de jogos eletrônicos?

Se você tem mais de 40 anos, provavelmente, diria que game não é esporte e muito menos uma carreira a ser seguida.

E se ele fosse tão bom que pudesse estudar de graça numa universidade dos Estados Unidos por isso? Você sabia que cerca de 100 universidades americanas já têm programas para oferecer bolsas de estudo para alunos que possam integrar a seleção de gamers da faculdade?

Hoje, os campeonatos mundiais de eSports só perdem para o Golf em valor individual de premiação. O vencedor chega a receber mais de 8 milhões de reais num campeonato de League of Legends, por exemplo. E as ligas universitárias nos Estados Unidos são muito fortes. Então, nos mesmos moldes das bolsas que há tempos são oferecidas para quem joga bem futebol, por exemplo, já existem oportunidades também para os gamers.

Agora, não basta ser bom no jogo. E a preparação para se tornar um atleta vai muito além de ficar jogando. É preciso uma preparação física, psicológica, nutricional e também é necessário estudar bastante.  Eu conversei com o Gustavo Machado, um dos sócios da MVP Exchange, agência especializada na inscrição de atletas para intercâmbios esportivos. Segundo ele, “é importante também falar bem inglês e ter boas notas no histórico escolar”. Antes de iniciar qualquer trâmite burocrático para a inscrição, a classificação do jogador também será avaliada, assim como os resultados em torneios e a participação em times. Trabalhos voluntários também são bastante valorizados pelas instituições de ensino nos Estados Unidos.

Pré-requisitos para bolsas de estudo / eSports:

Esses são pré-requisitos básicos, mas as faculdades estão cada vez mais preocupadas em recrutar perfis de estudantes que combinem com os valores de comportamento e ética das instituições. E como atestar tudo isso? Um casal de brasileiros criou lá nos Estados Unidos uma plataforma chamada GamerSafer. Trata-se de uma startup que está encubada na Universidade de Berkeley, na California, com o objetivo de melhorar a segurança no ambiente dos games e evitar fraudes. Mas que também é capaz de traçar o perfil psicológicos dos jogadores para que sejam avaliadas outras habilidades:

Habilidades valorizadas pelas instituições de ensino:

Os jogos hoje em dia são verdadeiras redes sociais, que chegam a conectar 100 jogadores numa única partida. Ser capaz de reconhecer os diferentes perfis dos gamers ajuda tanto na formação dos times como pode prevenir algumas fraudes.

O fato é que um comportamento saudável no ecossistema de jogo pode fazer toda a diferença para o futuro desse jovem e abrir portas para uma formação sólida. Tem muito gamer que acaba usando todo o conhecimento de estratégia e programação para trabalhar nessa indústria bilionária. Só no ano passado, o mercado de games lucrou 138 bilhões de dólares e a tendência é de ainda mais crescimento.

Leia também:

Pílulas da Longevidade: prepare-se para uma vida melhor

Envelhecer: os desafios da inovação na longevidade

Singularity University Global Summit 2019

Convergência tecnológica, mode on!

TAG

Prosa Press

VEJA TAMBÉM